Escolha uma Página

Sem estoque, mas em pronta entrega Empresas especializadas estão investindo na impressão de livros de acordo com a demanda de vendas e têm conquistado as editoras. As parcerias permitem driblar custos de publicação e distribuição de livros e pôr fim ao livro esgotado, mantendo todo o catálogo disponível para comercialização.

Deixar de vender um livro por edição esgotada é um problema que pode estar no passado do mercado editorial brasileiro. ಯNos últimos dois anos perdemos, aproximadamente, o equivalente a um faturamento médio mensal por produtos esgotadosರ, contou Mauro Azevedo, diretor de operações da BookPartners, empresa que desenvolveu o OndBooks um dos modelos de impressão sob demanda que têm conquistado editores e vêm se mostrando um segmento atrativo para as empresas que apostam no modelo de impressão digital.

Nos Estados Unidos, apenas uma companhia que opera com livros sob demanda produz, em média, 50 mil exemplares por dia. Embora o Brasil tenha um consumo per capita de livros considerado baixo, várias empresas estão vislumbrando o potencial deste mercado. Algumas gráficas já vêm investindo há alguns anos para atender o mercado editorial com impressão digital. E, mais recentemente têm aumentado o número de fornecedores e a gama de serviços disponíveis neste nicho de mercado. Hoje os editores podem contratar a impressão de qualquer quantidade de livros, a partir de uma unidade, contar com centro de distribuição e até com canais de vendas.

Este modelo de negócios guarda sinergia com o comércio digital. Editoras e distribuidoras têm lojas virtuais, nas quais os livros estão disponíveis e são impressos sob demanda, a partir das vendas efetuadas, seja para livraria, universidade, revendedor ou ao consumidor final. “Acho que esse modelo de negócios é o futuro”, completa Luiz Eduardo de Aguiar Meira, proprietário da Cultor de Livros, editora que trabalha com impressão digital e recorre a cerca de oito gráficas para atendê-la de acordo com o perfil, o prazo e a quantidade do livro a ser produzido.

Além de evitar perdas por livro indisponível no catálogo das editoras e acabar com o estigma do livro esgotado, a impressão sob demanda surge como alternativa também para outras dificuldades que desafiam o mercado editorial. ಯA recolocação de títulos dá um reposicionamento da editora junto aos autoresರ, afirma José Roberto Barreto Lins, da Editora Annablume, explicando que o novo modelo de comercialização de livros tem três aspectos positivos: ele permite que a editora mantenha foco em sua atividade fim; viabiliza o catálogo sem exigir capital de giro; e transfere a logística para empresa especializada, tirando do editor o custo de venda, que é alto.

Livros podem ser vendidos e só então impressos e enviados ao comprador No ramo desde 2008, o proprietário da empresa Power Graphics, Dener Fleury, confirma que a gestão de estoque e o custo de produção são argumentos irrefutáveis para atrair as editoras, que tinham arraigada a cultura de estoque e impressão de grandes tiragens, o que dificulta a reimpressão dos livros esgotados. O empresário gráfico contou que fez as contas com um cliente e seria necessário investimento de R$ 27 mil para imprimir 1500 livros, que levariam ao menos três anos para serem comercializados. ಯOu seja, o lucro fica no final do estoque e pode não vender 100%ರ, explicou Fleury, observando que levou pelo menos dois anos para conquistar a credibilidade das editoras.

Um dos desafios, conforme o editor José Roberto Barreto Lins, é ajustar o preço do livro, um problema que acredita seja contornado com a expansão dos negócios no modelo de impressão sob demanda. Ainda assim, o editor da Annablume considera que a impressão sob demanda ಯé a grande solução para deixar a editora se dedicar à gestão de conteúdo, que é o seu papelರ.

Sobre preço, o diretor de operações da BookPartners explica que não dá para se comparar o custo de impressão sob demanda com a ofsete, mas assegura que o primeiro tem uma cadeia de ganhos que acabam compensando a diferença. ಯEvita o investimento em estoque e o frete embutido ao longo da cadeia, além de fugir da obsolescênciaರ, completa Azevedo, citando exemplos de livros técnicos, há anos fora de catálogo, agora vendidos a preços atualizados praticamente sem reajuste.

OndBooks integra impressão sob demanda, logística e distribuição

Um projeto de tecnologia que une impressão gráfica, logística e distribuição de livros sob demanda, assim pode ser definido o selo OndBooks, nova área de negó- cios da holding BookPartners, conforme explica Mauro Azevedo, diretor de operações. Baseado em um modelo de negócios que opera com sucesso nos Estados Unidos e na Europa, o ಫsob demandaಬ aqui consiste em fazer a venda, imprimir o livro, entregar e remunerar a editora. Depois de dois anos de desenvolvimento, o projeto entrou comercialmente no mercado brasileiro em janeiro de 2017. Em cinco meses de atividades, o OndBooks tinha 20 editoras operando e cerca de 40 em fase de análises e negociação.

Na prática, o OndBooks é uma plataforma na qual os editores disponibilizam os arquivos de seus livros e a partir da qual eles podem ser impressos em uma gráfica parceira, no caso a Docuprint, e, então, encaminhados ao consumidor final, distribuidor ou revendedor. O editor pode reativar seu catálogo, que passa a ser impresso quando necessário, podendo ser apenas uma unidade. !Podemos produzir centenas de livros diariamente, um a um”, afirma Azevedo.

A empresa que perdia, aproximadamente, o equivalente a um mês de faturamento médio por produtos esgotados, espera que ao final do segundo ano de operação tenha esse volume sendo produzido sob demanda, agregando catálogos nacionais e internacionais. Mauro Azevedo observa que hoje, encomendar um livro fora do país é um processo de importação que leva em torno de 45 dias até que o produto esteja disponível. ಯNo sob demanda, o livro passa a ser impresso no Brasil, com prazo máximo de postagem de sete diasರ, afirma o diretor.

No projeto OndBooks há uma grande preocupação com os direitos autorais e a confidencialidade da operação. O diretor enfatiza que ಯnão é permitida a entrada de nenhum livro, se não tiver contrato firmado com editor, por respeito às normas de direito autoral.

A BookPartners opera na comercialização de livros, compra e venda de diversos selos editoriais, varejo (BtoB e BtoC“ e no mercado de distribuição de livros no Brasil  com 12 livrarias próprias, dois centros de distribuição e plataforma de e-commerce. Segundo o diretor, a proposta do OndBooks é que o editor seja gestor de conteúdo e não de estoque. “Isso é mudar paradigmaರ, completa.

Impressão sob demanda tem segurança de reprodutor autorizado

A impressão de livros sob encomenda a partir de uma unidade segue o mesmo rigoroso sistema de segurança utilizado para a reprodução de impressos e mídias para as empresas de tecnologia. ಯO livro tem o direito autoral, assim como os processos de licenciamento de softwareರ, afirmou Marcelo Conceição, diretor de negócios da Docuprint, parceira gráfica nas operações pelo selo OndBooks.

A Docuprint atua no Brasil desde 1996, como subsidiária da empresa argentina fundada em 1974, prestando servi- ços de impressão, tecnologia e gerenciamento de documentos em diversos segmentos. Em 2013, a Docuprint investiu em tecnologia de segurança física e digital, adotando protocolos de conduta e tornou-se reprodutor autorizado de impressos e gravação de mídias para companhias de tecnologias, entre elas a Microsoft, cliente há vinte anos.

Trabalhando com impressão 100% digital, a Docuprint colocou seu know how em segurança de impressos na parceria firmada com a BookPartners, para impressão de livros sob encomenda no sistema OndBooks. ಯA ideia para este projeto é estoque zeroರ, disse o diretor, enfatizando a proteção da propriedade intelectual do autor e da editora.

Uma vez firmado contrato com a editora, as obras são disponibilizadas na plataforma do OndBooks e já ganham visibilidade no mercado, mas o estoque é virtual. Marcelo Conceição acrescenta que ಯconforme entra o pedido, inicia-se o processo de produção e o livro é postado no prazo de até sete dias.

Vislumbrando o potencial de crescimento do segmento de impressão de livros sob demanda, a Docuprint já deu entrada nos trâmites legais para utilização do papel imune. Segundo o diretor, a gráfica ainda trabalha com papel comercial na produção dos livros, mas o impacto é pequeno no custo já que a empresa se beneficia de crédito de ICMS.

Livros prontos a partir de 24 horas

Com duas unidades na capital paulista, a Power Graphics atende a todo o Brasil com impressão de livros a partir de 24 horas, como contou o empresário gráfico, Dener Fleury, que atua no ramo desde 2008. Ele disse que foi pioneiro na impressão digital de livros, que representou uma mudança de paradigma no mercado gráfico editorial. A impressão em baixas tiragens atraiu inicialmente os autores independentes e foi conquistando gradativamente as editoras.

Segundo Fleury, o perfil de negócios da empresa foi sendo ajustado ao longo dos últimos anos, inclusive pela promessa do livro eletrônico, que não se confirmou. ಯO mercado contrariou todas as expectativas, porque se esperava um avanço do livro digital e estávamos direcionando a empresa para a tecnologiaರ, afirmou o executivo, explicando que ao invés de descontinuar a impressão de livros, a Power Graphics fez novos investimentos em equipamentos de acabamento.

ಯTodo mês o segmento editorial está crescendo, ganhando respeito no mercadoರ, assegurou Fleury, destacando que os pilares para isso são o compromisso com os prazos e a qualidade. Algumas editoras atendidas pela empresa têm conexão direta dos seus portais de vendas com o sistema de produção da Power Graphics. ಯHoje, o carro chefe da empresa é editorial impresso no digitalರ, completou Fleury, acrescentando que trabalha normalmente com o papel imune, conforme determina a legislação.

Para chegar a este ponto, a empresa buscou soluções para aperfeiçoar a impressão de livros no digital, como a possibilidade de confeccionar capas com vasta variedade de opções, inclusive com orelhas, e a assistência do fabricante de papel para trabalhar com as fibras do papel na impressão a laser. Se a necessidade da editora for por tiragens maiores, a empresa também conta com a impressão em ofsete.

Editora procurou parceria internacional

De olho nas experiências que surgem fora do Brasil, a Editora Annablume vislumbrou que o modelo de impressão sob demanda seria uma boa alternativa no segmento de livros acadêmicos em que atua. Mas, não bastava imprimir, como contou o editor José Roberto Barreto Lins. Segundo ele, o interessante mesmo seria a solução integrada de impressão e distribuição sob encomenda, como já fazem várias editoras internacionais como a Oxford e a Cambridge University Press.

O primeiro contato foi com a Ingram Content Group, que atua nos Estados Unidos, Europa e Austrália e é um dos maiores distribuidores de conteúdos físicos e digitais do mundo, oferecendo soluções além da impressão. ಯEles propuseram nos atender pela unidade do Tennessee, o que seria inviávelರ, contou o empresário. Com isso, a Annablume aproximou-se da BookPartners e foi a primeira editora a integrar o sistema OndBooks, em dezembro de 2016. ಯTrata-se de uma revolução no mercado editorialರ, afirmou Lins, explicando que em termos de venda, atingiu a cerca de 60% do previsto, mas espera melhora para o segundo semestre, já que ಯagora o mercado sabe que não há mais livros esgotados da editora.

Com cerca de dois mil livros em catálogo, a Annablume já disponibilizou 280 títulos na plataforma do OndBooks, que englobam os esgotados e os lançados a partir de abril. Lins contou que deve migrar aos poucos todo o catálogo para o sistema e ಯa expectativa é de que este seja o modelo de comercialização da editoraರ. Hoje, a Annablume tem entre 60% e 70% de suas publicações impressas em digital.

Especialista em livros esgotados

Colocar de volta à disposição do leitor livros considerados obras de valor permanente, como clássicos da filosofia, teologia e espiritualidade, que estavam fora do catálogo das editoras é o negócio da Cultor de Livros. Desde o início de suas atividades em 2008, a editora trabalhava com livros antigos encadernados, produzidos em impressoras a laser. Com o tempo, passou também a publicar obras inéditas, de novos e promissores autores.

Com aproximadamente 300 títulos em catálogo, a editora trabalha no modelo de publicação sob demanda com tiragens de oito, 50 ou 100 exemplares, por exemplo, variando ಯconforme a pegada do títuloರ, como explicou seu proprietário, o editor Luiz Eduardo de Aguiar Meira.

Com aproximadamente 300 títulos em catálogo, a editora trabalha no modelo de publicação sob demanda com tiragens de oito, 50 ou 100 exemplares, por exemplo, variando conforme a pegada do títuloರ, como explicou seu proprietário, o editor Luiz Eduardo de Aguiar Meira.

Perguntado sobre qual seria o impacto do livro digital no seu negócio, Meira responde com números que demonstram a irrelevância. ಯEm 40 mil livros vendidos, foram apenas duas consultas sobre e-book.

Qualidade do livro na impressão digital

Os fatores que determinam a impressão de um livro pelo processo gráfico ofsete ou em digital são, basicamente, comerciais. Mas, a qualidade do produto final é um dos diferenciais no convencimento e na conquista dos editores e dos autores. E, de acordo com os empresários do setor, os livros impressos sob encomenda são praticamente indistinguíveis da maioria dos volumes. ಯHoje ficou imperceptível. Qualquer papel pode ser impresso em digital, qualquer formato de capaರ, assegura Dener Fleury, da Power Graphics.

A identidade visual do livro impresso em sistema digital é preservada de acordo com o produto original. Conforme explicou o diretor de operações da BookPartners, Mauro Azevedo, no OndBooks ಯquem manipula os arquivos dentro do portal de impressão é o próprio editor.

As tradicionais orelhas dos livros, muito comuns nas publicações acadêmicas, precisam ser sacrificadas em alguns projetos de impressão digital, como no OndBooks. ಯÀs vezes, faço uma tiragem inicial com orelhas ou com uma sobrecapaರ, contou o editor José Roberto Barreto Lins, da Annablume, explicando que em geral, os autores gostam de ter convidados apoiando sua obra em textos publicados nas orelhas. Tirando isso, a qualidade gráfica do livro impresso em digital é exatamente igual, assegura o editor.

O executivo destacou que somente a tecnologia digital viabiliza esse tipo de aplicação e disse que a Konica Minolta possui portfólio para atender, com alta qualidade, essa demanda, desde a impressão dos miolos em vários tipos de papel até a produção de capas com acabamentos típicos (como orelhas“ ou impressão colorida de livros infantis, por exemplo.

ಯNosso lançamento mais recente no Brasil, a AccurioPRINT C2060L, é um caso bem ilustrativo; ela vem recebendo excelente aceitação por parte dos impressores que atuam no mercado editorial justamente pelo seu acessório opcional de alimentação de alta capacidade, que permite imprimir em formato banner de até 750 mm, ideal para capas de livrosರ, destacou. Arakaki citou também outros modelos de ótima performance para impressão de miolos em preto e branco ou mesmo para impressão em alta qualidade e alta produtividade de conteúdo colorido.

Sem especificar o número de gráficas que utilizam máquinas Konica Minolta com capacidade para atender o segmento editorial, o executivo afirmou que a companhia tem equipamentos de diferentes características e volumes operando com sucesso em todo o país, com suporte técnico próximo dos clientes.

Tecnologia

As transformações do mercado editorial envolvem também os fabricantes e fornecedores de máquinas para impressão digital. ಯO segmento editorial tornouse estratégico para a Konica Minolta, assim como para outros players que atuam no mercado de impressão digitalರ, comentou Ronaldo Arakaki, gerente geral da Konica Minolta Business Solutions do Brasil.

Segundo ele, o novo modo de consumir e produzir livros abre a oportunidade de impressão sob demanda, ಯum novo modelo de negócio de alto valor agregado, baseado na plataforma web to print, através da qual o cliente faz o pedido online e recebe o livro impresso em casaರ. Arakaki lembrou ainda que o livro pode conter personalização na capa e no conteúdo.

Fonte: http://andipa.org.br/arquivos/newsPaper/1498507684.pdf?1498511802