Escolha uma Página

BookPartners aposta na impressão de obras unidade a unidade e sob demanda

A impressão de livros sob demanda dispensa estoques e promete gerar fluxo de caixa positivo nas editoras. Com o projeto OnDBOOK, o Grupo BookPartners visa imprimir obras já esgotadas. Para o editor, a vantagem é não precisar gastar dinheiro antes de o livro sair da prateleira. Ele recebe só os royalties quando o livro é vendido. O projeto, desse modo, não será executado em pequena escala, mas de unidade a unidade.

“Procuramos essa solução de venda de livros porque o editor não tem interesse econômico em produzir uma tiragem pequena para suprir um mercado durante dois anos”, explica Carlos Henrique de Carvalho Filho, presidente do Grupo, que comercializa um livro a cada 13 segundos.

Esses livros encomendados sob demanda não ficarão restritos ao universo da editora: serão disponibilizados para o mercado inteiro. “O leitor poderá comprar esse livro, que estava supostamente esgotado, em qualquer livraria ou site de comércio eletrônico de preferência”, afirma Carvalho Filho. Compõem a rede de relacionamentos da BookPartners 1.600 editoras nacionais e internacionais.

Por sua vez, a BookPartners possui uma rede de 12 livrarias. Somente em 2015, o Grupo deixou de vender cerca de R$ 7 milhões em livros esgotados no mercado. “O modelo adotado pela BookPartners está baseado em experiências internacionais de sucesso”, explica Mauro Azevedo, diretor de Operações da organização.

Uma edição de 1.000 exemplares, para ser vendida em dois anos, requer investimento em papel, impressão, armazenamento, expedição, logística e frete. Porém, se tudo isso for trocado pela remuneração sempre que um exemplar for comercializado, o editor pode continuar exercendo a sua função e deixar de ser um operador logístico.

A diferença da BookPartners para uma gráfica, por exemplo, é a operação de distribuição: a empresa atua como uma provedora de soluções ao mercado editorial em toda sua cadeia. Por trás da solução está um software de desenvolvimento próprio. A distribuição se expande pelo e-commerce, market places, rede de 12 livrarias físicas, revendas de livrarias e pequenas distribuidoras. Nas grandes distribuidoras, está disponível uma interface para enxergar o estoque online. Se o cliente procura na loja e não encontra a obra, o vendedor tem a possibilidade de olhar no estoque, e se estiver disponível já faz a encomenda.

Quando se fala em direitos autorais, são negociados o prazo e a tiragem para a edição. Se um editor quiser publicar um livro no Grupo BookPartners, na primeira edição o lançamento será on the demand. O acordo será mantido por três anos, por exemplo. “Se o livro foi bem aceito, poderá ser feita uma tiragem comercial. Isso permite ao editor fazer experiências que ele não faria antes sem todos os custos de uma tiragem tradicional. Cada livro que vender é lucro”, salienta Carvalho Filho.

Empreendedorismo

Aos 20 anos, Carlos Henrique de Carvalho Filho assumiu os negócios da família. No começo dos anos 1990, a Editora Revista dos Tribunais ficou nas mãos do então estudante de Direito. Em 2004, foi criada dentro da Editora Revista dos Tribunais uma distribuidora voltada para atender às bibliotecas das universidades, a Vértice Books.

Após a venda da Revista dos Tribunais em 2010 para o Grupo Thomson Reuters, a Vértice foi agregada ao Empório do Livro, uma distribuidora adquirida para atender livrarias, tornando-se Empório Vértice. A entrada no varejo se deu com a aquisição da Cia dos Livros, à época somente online.

Juntas, Vértice Books, Empório do Livro, Cia dos Livros e B4, voltada à formação técnica de crianças e adolescentes, formam a holding BookPartners. O faturamento da holding saltou de R$ 2 milhões em 2010 para R$ 102 milhões ano passado. Em 2016, o grupo espera crescer 15%, impulsionado pelas vendas no e-commerce.

http://www.executivosfinanceiros.com.br/especiais/negocios/item/4155-livros-esgotados-abrem-mercado-de-r$-7-milh%C3%B5es.html